PDF Imprimir E-mail

Alergias da Pele

 

   As alergias da pele mais frequentes são a dermatite atópica, a urticária, a alergia a picadas de inseto, as reações a produtos químicos e fotodermatites.

 

   Dermatite Atópica: Pode ocorrer em qualquer idade, sendo mais comum nas crianças, com eczema na pele, principalmente nas dobras do pescoço, braços e pernas. A pele fica ressecada, irritadiça e coça muito. Pode surgir em qualquer época do ano, mas piora com o calor e com o suor excessivo. É comum que surja em pessoas que sejam portadoras de alergia respiratória como a asma ou bronquite e a rinite alérgica.

   O tratamento da dermatite atópica implica em cuidados especiais como a hidratação e lubrificação da pele, aplicação de cremes de cortisona, e remédios orais de antihistamínicos (antialérgicos); procurando reduzir a coceira e a inflamação. Em alguns casos, a imunoterapia (vacinas antialérgicas) pode ser de valia. Recomenda-se também o uso de roupas leves e de tecidos de algodão, evitando-se lycra, jeans ou tecidos sintéticos. 

   Urticárias: São placas avermelhadas que surgem em locais variados do corpo e que se acompanham de coceira muitas vezes intensa.Podem aparecer em qualquer época do ano mas é comum que piorem no verão. O tamanho das placas varia, podendo ser pequenas ou mesmo se juntar formando grandes manchas na pele. Entretanto, somem sem deixar vestígios.

   As causas mais comuns são: medicamentos, alguns alimentos não habituais, corantes e aditivos utilizados como conservantes de alimentos. Em crianças parasitas intestinais e em adultos, doenças variadas podem causar urticária. A base do tratamento da urticária é descobrir a causa, afastar e controlar os sintomas com antihistamínicos (antialérgicos).

   Alergia a picada de insetos: É conhecida pelos médicos com o nome de "estrófulo" e constitui uma das formas de alergia mais freqüente no verão, sendo mais comum nas crianças. Aparece sob forma de feridinhas em forma de caroço no local da picada do Inseto, que depois se espalham pelo corpo. Em alguns casos, essas feridinhas podem piorar, surgindo pequenas bolhas e infeccionar, podendo evoluir para impetigo. O tratamento engloba desde medidas simples, porém fundamentais, como: telas em janelas, dedetização, ventiladores, passando por repelentes usados em situações especiais (passeios, "picnics", etc.) e chegando até à imunoterapia com vacinas utilizando venenos de insetos que induzem a criação de anticorpos capazes de bloquear a ação dos alergenos e impedem o surgimento da alergia. O uso de repelentes pode ajudar, mas devem ser indicados pelo médico.

   Alergia a produtos químicos: É de ocorrência comum no verão em função do uso de bronzeadores, filtros solares ou cremes sem orientação médica, podendo levar a irritações na pele. Uma especial atenção deve ser dada aos bronzeadores caseiros que com certeza não passam por controles de qualidade e podem causar reações cutâneas desagradáveis e em alguns casos, muito sérias. O ideal é consultar o médico antes de usar um produto na pele.

   Fotodermatites: São reações na pele causadas pela ingestão de certos remédios seguida da exposição ao sol. Os remédios mais comuns que podem provocar fotodermatites são os derivados da sulfa e alguns analgésicos. Alguns protetores solares contendo PABA (paraminobenzóico) podem determinar sensibilizações da pele è luz solar. Além disso, medicamentos antihistamínicos em creme (como por exemplo o fenergan) também podem causar fotossensibilização cutânea.

   Fitofotodermatite: Apesar do nome complicado, é uma reação alérgica comum e que se manifesta quando a pele é respingada pelo sumo da casca de limão, tangerina, ou laranjas, pelo leite da casca da manga ou do figo, pela folha de figo, que atuam concentrando a energia do sol no local da pele atingida, provocando queimadura e gerando manchas escuras desagradáveis e bizarras, semelhantes a uma queimadura. Uma situação bastante comum é a pessoa se queixar do surgimento de manchas na pele após tomar caipirinha no sol ou em crianças após se lambuzar tomando um sorvete de limão na praia. Por isso, é importante lavar bem o rosto e as mãos após contato com frutas cítricas antes de se expor ao sol.


CUIDADOS COM PELE:


Alimente-se de forma saudável: frutas legumes, líquidos, sucos naturais. Evite alimentos artificializados, refrigerantes em excesso.

Não tome banhos quentes e demorados pois prejudicam a camada protetora da pele. Não use buchas ou esponjas.
Enxugue suavemente, sem friccionar a toalha em sua pele

Use sabonetes à base de glicerina que não retiram a proteção natural de gordura da pele. Se for tomar mais de um banho por dia, passe o sabonete nas partes íntimas, axilas e pés, mas lave o resto do corpo com a água.

 

Dr. Emmanuel Antônio P. Reis Martins
Presidente da Sociedade Brasileira de Alergia e Imunopatologia regional Rio de Janeiro (SBAI-RJ)